Dy, Fabiano e Agatha

Eu quero a sorte de um amor tranquilo
Com sabor de fruta mordida
Nós na batida, no embalo da rede
Matando a sede na saliva

Ser teu pão, ser tua comida
Todo amor que houver nessa vida
E algum trocado pra dar garantia

E ser artista no nosso convívio
Pelo inferno e céu de todo dia
Pra poesia que a gente não vive
Transformar o tédio em melodia

Dy (13)

papai Fabiano fazendo uma aquarela para Agatha

Dy (12)Dy (2)Dy (8)Dy (3)Dy (4)Dy (5)Dy (9)Dy (10)Dy (11)Dy (6)Dy (1)Dy (7)

A Singer de 90 anos

img_20170213_104900_310

Aí a gente sai para fotografar os locais onde foram gravados alguns áudios da exposição Cartografias Urbanas e dá de cara com essa bela Singer, de 90 anos, e suas histórias. Foi companheira do Sr. José Lopes por 50 anos. Os filhos Magno e Wellington começaram a trabalhar com pai ainda crianças e até hj renovam os sapatos dos moradores do Santo Antônio. Quanta história já deve ter passado por ali.
Esse encontro me lembrou do que eu mais gostava quando trabalhava em jornal. Ouvir as histórias das pessoas. A fotografia sempre abriu essas portas para outros mundos e outras histórias. Para mim é a melhor parte da fotografia.

Kathe

O ensaio com Kathe aconteceu em Nova Lima/MG. Ela já é mãe de uma menininha linda e agora a família aguarda a chegada da Maria Clara. Pedi a ela que escrevesse sobre a experiência da gravidez:”É o amor mais puro. É o que a maternidade nos apresenta. Um sentimento sublime e genuíno. Um amor que potencializa nossas qualidades e nos torna capazes de qualquer coisa. Um amor que se renova a cada olhar, a cada sorriso, a cada abraço. Ser mãe é descobrir a definição da palavra milagre. Ser mãe pela segunda vez é ter a certeza de que o amor é capaz de transbordar do peito e nos invadir por completo”.

kathe-123kathe-114kathe-108kathe-103kathe-98kathe-72kathe-59kathe-39kathe-17

Oficina de Fotografia para Crianças

A OFICINA DE FOTOGRAFIA para crianças, em Belo Horizonte, aconteceu no Parque das Mangabeiras e na Escola Casa Viva. A proposta era que as crianças, através da fotografia, observassem, escolhessem e registrassem suas descobertas . Assim percebendo as várias possibilidades do olhar.
De uma forma bela e divertida, as crianças entendem que cada olhar é único, como únicas são as pessoas e que essa diversidade é rica e deve ser respeitada.